Centro Marista de Defesa da Infância apresenta campanha “Defenda-se!” em dez capitais turísticas do Brasil

defendaEm parceria com a UMBRASIL e o Ministério do Turismo (MTur), a Rede Marista de Solidariedade, por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, apresentará em Brasília (DF), no dia 19 de novembro, a campanha “Defenda-se” durante a série de encontros Prevenção e o Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A iniciativa faz parte das ações do Programa Turismo Sustentável e Infância, do Ministério do Turismo, que até dezembro deste ano passará por dez capitais turísticas do país. A ideia é reforçar, nesses locais, o uso das estratégias que ajudam a enfrentar a violência sexual no Brasil, além de apresentar novas iniciativas. “É necessário criar uma rede de proteção que mobilize todos os representantes que lidam com o turismo para o combate a violência sexual infantil”, diz Leila Paiva, coordenadora da Umbras
il.

A campanha Defenda-se atua especialmente no campo da prevenção, ao promover a autoproteção de meninos e meninas contra o abuso e a exploração sexual por meio de seis vídeos educativos. Os materiais, destinados a crianças de 5 a 11 anos, foram produzidos em parceria com a Fundação de Ação Social (FAS) da Prefeitura Municipal de Curitiba e a Lumen Comunicação e ilustram situações cotidianas em que as crianças podem se defender, seja relatando a violência para alguém de confiança ou fazendo denúncias diretamente ao Disque 100 — que recebe e encaminha os relatos de violações aos direitos humanos.

Como afirma Vinícius Gallon, coordenador da campanha e responsável pela área de comunicação do Centro Marista de Defesa da Infância (CEDIN), “a Defenda-se foi criada com base no eixo de Prevenção do Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes e no 3º Protocolo Facultativo da ONU, com a proposta inovadora de dialogar diretamente com a criança sobre formas possíveis de se prevenir contra a violência sexual. Trata-se de promover a participação da criança em sua autodefesa, tomando o cuidado de não responsabilizá-la pela própria proteção. Por isso, nos vídeos indicamos que, ao identificar alguma situação ‘esquisita’, a criança conte o que aconteceu a alguém de confiança, que pode não ser alguém da família, e ligue para o Disque 100, entendendo que a proteção integral dos meninos e das meninas é um papel compartilhado pela família, pelo governo e pela sociedade”.

O Encontro já foi realizado nas cidades de Florianópolis, Teresina, João Pessoa, São Luís, Campo Grande, Maceió, e, depois de Brasília, chega a Goiânia e encerra em Belém.

Clique na imagem a seguir e acesse o mapa das denúncias por estado:

mapa