Rede Marista de Solidariedade lança campanha “Defenda-se”



defenda-seCom o aumento da presença de turistas no Brasil em função da Copa do Mundo, cresce a preocupação sobre eventuais violações dos direitos das crianças e dos adolescentes, especialmente em relação à violência sexual.  Para promover a autoproteção e orientar diretamente as crianças com idade entre 5 e 11 anos sobre como  se defender do abuso e da exploração sexual, a Rede Marista de Solidariedade, por meio do Centro Marista de Defesa da Infância, em parceria com a Fundação de Ação Social de Curitiba (FAS) está lançando a campanha “Defenda-se”, composta por seis vídeos. Durante os jogos em Curitiba, os Centros de Referência e Assistência Social – CRAS vão desenvolver atividades socioeducativas para crianças e a série de vídeos vai compor parte da programação.

O articulador do Centro Marista de Defesa da Infância (CEDIN), Douglas Moreira, explica que o diferencial desta campanha é o fato dela ser voltada diretamente para as crianças, com uma linguagem adequada para essa faixa etária. “Os vídeos têm como cenário o futebol e por meio do time da defesa trazem seis dicas para que meninos e meninas tenham condições de se defender. Nosso objetivo é promover a autoproteção de crianças contra a violência sexual, aproveitando as mobilizações em torno da Copa do Mundo, por meio de peças de comunicação que possam ser utilizadas no período dos jogos e em momentos futuros”, enfatiza.

Douglas salienta ainda que a série de vídeos estará disponível no Youtube e pode ser utilizado por todos. A ideia é que as escolas utilizem o material para promover o debate da autoproteção entre as crianças e que as instituições compartilhem os vídeos a fim de dar visibilidade ao tema.

Produzidos pela Lumen Comunicação, os vídeos contaram com o trabalho voluntário do ilustrador Gustavo Santos Silva e dos produtores de áudio da Tape it Easy. Estão disponíveis no facebook da Rede Marista de Solidariedade e no canal do Youtube do Grupo Marista: http://www.youtube.com/playlist?list=PLrl6B1Ndk3huxnQYUSKtGwX9zuUMGihoo

Cenário

De acordo com levantamento divulgado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em 2013 o Disque 100, canal de denúncias sobre violações de direitos humanos, recebeu 1,7 mil ligações sobre casos de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes feitas do Paraná.

No mesmo ano, a Rede de Proteção de Curitiba notificou cerca de 500 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes, mas estima-se que o número seja muito maior. São notificados casos confirmados ou em que haja suspeita. A prevalência de atendimento é de meninas, mas há também muitos meninos.

As seis dicas das animações são:

1 – Não tenha medo nem vergonha de se defender: Sempre que algo estranho acontecer, a criança deve contar para algum adulto de confiança o que aconteceu, ou ligar para o número 100. Vale ressaltar que a violência sexual acontece principalmente dentro de casa e que essa pessoa de confiança pode não ser da família da criança.

2 – Proteja sua imagem: A criança deve estar sempre atenta às imagens que compartilha na internet e não deve se deixar fotografar ou filmar em situações que possam lhe causar constrangimento. Caso alguém tente convencê-la de que isso é algo legal de se fazer, a criança deve informar alguém de confiança ou ligar para o Disque 100 e contar tudo para a pessoa que atender.

3 – Não aceite carona de estranhos: Grande parte dos casos de exploração sexual acontece em situações onde a criança aceita carona de estranhos, seduzidas por doces, dinheiro ou uma conversa envolvente. Por isso, sempre que isso acontecer, a criança deve dizer não e buscar ajuda, relatando o que aconteceu a um adulto e ligando para o Dique 100.

4 – Não dê informações pessoais a quem você não conhece: seja em uma abordagem pessoal ou pela internet, a criança não deve fornecer informações pessoais para estranhos ou pessoas que ela não confie. Se alguém tentar persuadi-la para obter essas informações, ela deve contar a alguém de confiança e ligar para o número 100.

5 – Conheça e proteja o seu corpo: Todas as pessoas possuem partes do corpo que não devem ser mostradas ou tocadas por outras pessoas, mesmo que sejam da família ou conhecidas. Elas são chamadas de partes íntimas. Se alguém quiser mostrar, ver ou tocar nas partes íntimas da criança ela deve dizer não e contar para alguém em quem ela confie e ligar para o Disque 100.

6 – Não aceite dinheiro ou presente em troca de carinhos: A criança deve desconfiar de pessoas estranhas que lhe fizerem elogios, ofertas de brinquedo, dinheiro e outras coisas atrativas. Se isso acontecer, ela deve contar para uma pessoa de confiança, e discar o número 100.